quarta-feira, 20 de agosto de 2008

FELA KUTI

Nigéria, 1970. Estava declarada a independência. Separava-se assim, a República de Kalakuta. Era época de ditadura militar na Nigéria. O general no poder chamava-se Yakubu Gowon, deposto em 1975 por mais um golpe militar e os golpes sucediam-se sucessivamente.

AFROBEAT – um mix saboroso (picante, pero sabroso), espírito e corpo balançam. No palco, muitos instrumentos e muita gente. Influências do jazz, funk, highlife, música yorubá, vozes e percussão todos combinados repetidamente e com muita energia. Uma festa diversa pulsante. Surge na Nigéria, nos anos 60. Há forte crítica social nas letras.

Abeokuta, 1938 – nasce Fela Anikulapo Ransome Kuti. Tem uma mãe feminista Funmilayo Ransome-Kuti, atuante no movimento anti-colonial (achei importante ter uma mãe feminista).




Política: algo que você não gosta e deixa para outros fazerem.

Fela Kuti – um músico dos grandes, pouco valorizado como toda a África. Entrava em transe percussivo (li isso e gostei – Last FM) com seu saxofone, acompanhado por uma profusão de instrumentos e vozes. ele criou uma obra tão vasta quanto densa, de valor inestimável e de fácil aceitação. Mas como a África, Fela Kuti é deixado de lado da história mundial, como um gigante incompreensível, uma floresta fechada onde nenhum homem jamais esteve. A obra do filho mais controverso da nação nigeriana não é apenas de fácil aceitação como perfila-se muito bem ao lado de senhores do ritmo como James Brown, George Clinton, Miles Davis, Afrika Bambaataa e Marley - todos conduzindo seu público a um êxtase coletivo baseado na fusão de ritmo e eletricidade, sempre num redemoinho de instrumentos tocados de forma radical, ao extremo. Teclados, bateria, percussão, trombones, guitarras, backing vocals, bailarinas, trumpetistas, baixista, saxofonistas — todos seguindo o fluxo ininterrupto de som, uma avalanche sônica que corre com a força da correnteza de um rio” (http://www.lastfm.com.br/music/Fela+Kuti).



Década de 60 - Kooala Lolitos – primeira banda de Fela Kuti, montada em Londres onde estudou música e continuada na Nigéria.

Polêmica – Músicas como "International Thief Thief”, "Coffin for Head of State" e "Unknown Soldier" nunca agradaram as autoridades nigerianas, mas seu enterro, em 1997 (morreu vítima da AIDS), foi seguido por mais de um milhão de nigerianos.

República Kalakuta – Uma casa-comuna, com um estúdio de gravações e espaços para os caras das bandas morarem. Como isso é muito pouco para um negro que havia recém-chegado de uma turnê pelos EUA e entrado em contato com os blackpowers, Martin Luther e Malcom X: abre uma boate num Hotel (Afro-Spot) onde produz muitos discos todos engajados, falando da situação social do povo nigeriano, da corrupção, violência, exploração multinacional. Para transformar Kalakuti num “oásis” estranho entre as areias e petróleo, Fela Kuti casou-se com 27 mulheres, como na tradição yorubá, e andava pelado pela comuna o dia inteiro e fumava baseados cujos tamanhos eram ontológicos.


Repressão – preso dezenas de vezes, um dia mil soldados invadiram a comuna, fortemente armados, estupraram as mulheres de Fela na sua frente, jogaram a mãe dele de 80 anos pela janela do 2º andar e o espancaram até quase a morte.

Produção - nada menos que 58 álbuns. Porcaria? Nenhuma. Tudo é lindo, faz o corpo mexer, em verdade, pulsar!

Lifestyle – Não era fraco. “Era contra direita ou esquerda, apoiava um movimento chamado PANAfricanismo, que seria a união dos países africanos contra as ditaduras ainda em voga. Acreditava na poligamia e na poliginia, e em altares pessoais e portáteis, em gastar todo o dinheiro hoje, em fumar baseados do tamanho de temakis todo dia o dia todo. Fela seria levado pela 200 vez (o número é real, não é exagero) perante as cortes e aos juízes nigerianos quando, declarou certa vez ao vivo em um programa que a maconha - Era sua melhor amiga, um presente de Deus ao povo africano, - atestando na próxima frase que era direito dele fumar quantos baseados desejasse, inicialmente como homem, depois como senhor de 57 anos. (http://blog.myspace.com/index.cfm?fuseaction=blog.view&friendID=253578999&blogID=334113690)

Sugiro você agora mesmo procurar Felá Kuti, baixar suas músicas, cerrar o pulso e ser arrebatado pelo ritmo.

E para conhecer melhor a grande música nigeriana: http://www.nigeria-arts.net/Music/Afrobeat/?Directory


Saúde a tod@s!

2 comentários:

Clara Mendes disse...

Oi Márcio.
gostei da dica musical. afe, tem tanta coisa pra ouvir no mundo! cada dia a gente descobre alguma paisagem nova...

Ali Assumpção - Liquidificador disse...

que coisa maravilhosa, essa!
tá nos favorito p ir curtindo!!
gracias, marcios..