sexta-feira, 29 de agosto de 2008

POESIA VISUAL: "PEDAÇOS 01" www.flickr.com/nestorjr

Curso - Lei Rouanet

Em setembro, o produtor Marcelo Miguel (Curitiba) irá ministrar o curso "Formatação de Projetos Culturais e a Captação de Recursos Através da Lei Rouanet". Marcelo Miguel é jornalista, produtor cultural e consultor na área de elaboração e gerenciamento de projetos e captação de recursos. É diretor da empresa QUIXOTE ART & EVENTOS (Curitiba/PR), prestando consultoria a instituições públicas e privadas, empresas, artistas e produtores independentes.

O curso de Produção Cultural é voltado para o aprimoramento e a capacitação de artistas, produtores, agentes, gestores de órgãos públicos, integrantes do terceiro setor, arte-educadores, profissionais das áreas de comunicação, turismo e outros segmentos relacionados à produção cultural.

No programa, planejamento cultural, marketing cultural e seus principais elementos, mecenato e suas principais características, entre diversos tópicos.

O investimento com desconto (até dia 10 de setembro) é de R$ 120,00 (cento e vinte reais). O curso inclui apostila, DVD sobre a Lei Rouanet, CD de dados com formulários, legislação, textos de apoio e certificado.

Datas: 24, 25 e 26 de setembro de 2008
Horário: das 18h às 22h
Local: Fund. Cultural de Blumenau

Maiores informações:
Enio Hudson – (47) 8847 0836
www.quixoteart.com.br

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

.
.
Sinal



por Roberto Soares
(clique na imagem p/ ampliar)

Informativo Ministério da Cultura

Olá pessoal. Sempre recebo do Ministério da Cultura um informativo com programas, editais, ações nacionais e específicas da região Sul. Acho bacana que estas informações sejam divulgadas para o maior número de pessoas então, disponibilizo a partir de hj, as edições que receber num link dentro do site da liquidificador. Aí vai o informativo de hj: http://www.liquidificador.art.br/Info124_Ministerio%20Cultura-Sul.htm

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

Ensaio






Ensaio fotográfico que fiz com drag queens, em Curitiba.

Show

Mercedes Sosa – Em Floripa
14/9 - Domingo

A voz da música latino-americana já percorreu todos os países do continente nos trinta anos de carreira. Depois de quinze anos sem vir à Floripa, Mercedes Sosa apresenta En Concierto, uma turnê que precorre cinco países. Com talento nato, Sosa ganhou o Grammy Latino de melhor álbum folk e gravou mais de 40 discos. No Brasil, uma das parcerias mais conhecidas foi com Milton Nascimento, em que gravou em 1976 a música Volver Los 17. Nesta turnê, o repertório está bem seleto com canções de compositores famosos como Victor Jarra e Violeta Parra, autores das obras-primas Gracias a La Vida e Duerme Negrito. A diva argentina iniciou o Movimento Del Nueva Cancion, considerado precursor das canções de protesto. Envolvida em movimentos políticos, foi presa e saiu da Argentina em 1979, permanecendo três anos no exílio.Ingresso: Setor 1 (cadeiras numeradas) - R$ 180,00. Setor 2 (cadeiras numeradas) - R$ 160,00. Setor 3 (cadeiras numeradas) - R$ 140,00. Setor VIP - R$ 120,00. Camarotes para 12 a 18 pessoas - valor sob consulta. Venda somente em dinheiro, a produção não aceita outro meio de pagamento.
Local: Floripa Music Hall - Rua Henrique Valgas, 113 - Centro. Veja localização no mapaPágina oficial do Floripa Music Hall
Ponto de venda: bilheteria do Floripa Music Hall, das 9h às 18h30 e site NósVamos.
Horário: a casa abre às 20h. Show a partir das 21h.
Informações: (48) 3222-8416.

O Circo é o tema da 3ª etapa do Palco


3ª Etapa – Palco Giratório - O SAPATO DO MEU TIO

O Sapato do Meu Tio é a história de dois palhaços: o tio e o sobrinho. Ambos vivem na miséria, embora o tio ostente orgulho por um passado de fama e glória, do qual só restam os velhos cartazes. Sobre uma carroça, os dois viajam de cidade em cidade. De início o sobrinho é um mero puxador de carroça, subserviente e resignado de sua condição de servo de um grande artista. Com o tempo, o aprendizado se faz em via dupla: juntamente com as técnicas e o apuro artístico, o sobrinho aprende de seu tio a vaidade e o tio toma consciência do valor da humildade do mais novo. Nessa viagem, vida afora, alternam-se momentos de angústia, dor, alegria, tristeza, riso e lágrimas. Trata-se de uma homenagem ao ofício do palhaço. Embora a peça narre a história de dois artistas mambembes, vivendo uma situação específica, o seu significado pode ir além, por falar da transitoriedade da vida, da solidariedade, do respeito mútuo, do aprendizado e crescimento do ser.

Ingressos: R$10,00(inteira) R$7,00 (Clube do Assinante A Noticia) R$5,00 (Cartão SESC, meia)
Dia: 16 de setembro - terça-feira
Hora: 20h
Duração: 01h45m
Indicação: Teatro adulto – clown (classificação livre)
Informações e vendas: no SESC – Rua Dr Amadeu da Luz 165. 47 3322 5261
Ingressos: R$10,00(inteira) R$7,00 (Clube do Assinante A Noticia) R$5,00 (Cartão SESC, meia)


OFICINAS:
Oficina de circo
Ministrante: Cia do Meu Tio - Salvador/Ba
Dia: 15 e 16 de setembro
Hora: 14 h às 18hVagas: 20(vinte)
Carga horária: 08h
Local: Fundação Cultural de Blumenau - Sala 110
Inscrições: R$15,00( com direito a certificado e ingresso do espetáculo)
Informações: no SESC – Rua Dr Amadeu da Luz 165. 47 3322 5261

A Arte do Clown / Palhaço
Ministrante: Pepe Nunes
Público-alvo: atores, estudantes e pessoas interessadas (a partir de 18 anos)
Número de participantes: máximo de 20 alunos, por turma.
Período: 1º módulo: 11, 12 e 13 de setembro 2º módulo: 18, 19 e 20 de setembro
Horários: 08h a 12h - 1ª Turma / 14h – 18h - 2ª Turma Total: 30h
Local: SESC-Blumenau
Valor: R$ 50,00 0 - material didático incluido
SOBRE O CURSO: é uma experiência teórica/prática, um espaço e um tempo de experimentação direcionados à descoberta do próprio e pessoal clown/palhaço.

Workshow com Carlos Ezequiel e Sizão Machado

A FreeStudio Escola de Música, em parceria com a Faculdade Souza Lima (SP), apresenta, nesta sexta-feira, os músicos Carlos Ezequiel e Sizão Machado, em apresentação única e gratuita no Teatro Carlos Gomes.


O alagoano Carlos Ezequiel é e baterista e compositor e trabalha com jazz e música brasileira desde 1992. Em 1996, ganhou uma bolsa de estudos na Berklee College of Music, em Boston. Seu currículo inclui quase 30 apresentações pela Europa, além de shows nos EUA e por todo o Brasil. Em 2001, foi indicado ao Prêmio Visa de Melhor Instrumentista.


O baixista Sizão Machado é reconhecido internacionalmente, em suas atuações ao lado de Chet Baker, Herbie Mann, Elis Regina, Jim Hall, Chico Buarque, Dori Caymmi, Djavan, Milton Nascimento, entre outros. Além de sua atuação nos palcos do mundo, Sizão participou da gravação de mais de uma centena de discos com os mais variados artistas.


Serviço:

Workshow com Carlos Ezequiel e Sizão Machado
Dia 29 de agosto (sexta-feira)
Horário: 20:30hs
Teatro Carlos Gomes
Entrada franca
Informações: 47 3340-2882

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Intervalo Cultural na FURB


Que tal respirar arte entre uma e outra aula?

A iniciativa é do Centro Acadêmico de Artes da FURB.

É gratuito e acontece nesta quarta (27/08), em dois horários: às 12h e às 20h, na FURB. Detalhes na imagem ao lado!

Vídeo 'Liberdade' é lançado no próximo sábado

Será lançado no próximo sábado, 30, o resultado do projeto “O Vídeo-arte como Dispositivo de Inclusão Social”, idealizado e produzido pelo Ipensa (Intervenções e Pesquisas Nômades S.A.) direcionado aos adolescentes que cumprem medida socioeducativa no CIP – Centro de Internação Provisória, de Blumenau. Entre março e agosto de 2008, cerca de vinte adolescentes participaram das atividades.

Instrumentalizados com oficinas de roteiro e direção de cena, ministradas por Édio Raniere, e com oficinas de fotografia, confecção de máscaras e filmagem, por Charles Steuck, os adolescentes realizaram seu próprio vídeo arte. O vídeo “Liberdade” teve elaboração de roteiro, a operação de câmera, criação das letra e música, a atuação e a confecção de máscaras integralmente realizadas pelos adolescentes.

O filme contou ainda com a produção musical de Paul Manfred, edição de Édio Raniere e finalizações de Lílian Döring. Fundamental também foi apoio dos educadores sociais e do coordenador do CIP, João Carlos Auersvaldt, que abraçaram o projeto desde sua concepção.
“Liberdade” será exibido para a comunidade em projeções a serem realizadas nos seguintes locais: Fundação Cultural de Blumenau, Centro de Educação Infanto-Juvenil São João, Centro de Educação Infanto-Juvenil Santa Terezinha, e na Casa de Semi-Liberdade de Blumenau. Várias entidades educativas e culturais da cidade também receberão cópias do DVD Liberdade. Para saber mais sobre o IPENSA acesse http://www.ipensa.blogspot.com/

Serviço:
Projeção do Vídeo "Liberdade"
Sábado: 30/08 - 19 horas ( Junto ao Circo Acústico)
Fundação Cultural de Blumenau
Rua XV de Novembro, 161 - Centro - Blumenau
Ingressos R$ 3,00

Iguarias do Butiquin Wollstein p/ esta semana!

Hoje.: Trio Mazzaropp ( apresentação com Mazinho )

4ª feira.: Tango em Banco e Preto (Mariana e Daniel)

5ª feira.: Jazz com Duda Kassler Quartet

6ª feira.: MPB e Bossa com Mônica

Couvert.: R$ 10,00

Sábado.: Feijoada - R$ 15,00 servida à partir das 12:00 hs

Rua: Floriano Peixoto-89 sala 5 e 6. entre a 15 e a 7. Centro Blumenau

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

O Multiculturalismo de Daiana Schvartz

O Multiculturalismo de Daiana Schvartz


Viegas Fernandes da Costa


Se Eric Hobsbawm percebeu o século XX como a “era dos extremos”, este início de século XXI parece afigurar-se como uma possível era das contradições. Os discursos e os mecanismos da globalização iluminam e ao mesmo tempo sufocam o local, nosso tão cultuado multiculturalismo espanta-se ante o maniqueísmo das novas guerras santas. Entre espanto e deslumbre, vemos a arquitetura virtual das pontes de fibras óticas ligar culturas e mundos antes inimagináveis, e aviões derrubarem torres. Ao ecumenismo pregado dos púlpitos de Oslo, a convivência com o discurso que demoniza o islã. Sim, nossa pós-modernidade alimenta medos seculares, e entre cirurgias bariátricas e a desnutrição extrema, continuamos marchando em nosso desatino, matando frangos virados para Meca e purificando nossos templos com os turíbulos sagrados.
A artista plástica Daiana Schvartz parece apontar para esta era das contradições em sua exposição “Indoor”, que ocupa o Museu de Arte de Blumenau até o dia 14 de setembro. Originalmente pensadas para o espaço urbano – o que efetivamente aconteceu com os painéis da exposição “Outdoor: arte fora das portas” – as imagens mostram enormes orelhas invadidas por fones de ouvido e ramalhetes de fios e fones, onde o que mais importa não são as técnicas utilizadas pela artista, mas o conceito. E nada mais eficiente para retratar nossa pós-modernidade confusa e esquizofrênica que orelhas e fones
.

O fone de ouvido (e agora o i-pod) constitui-se como um símbolo do nosso individualismo cosmopolita. A pluralidade cultural chegando aos nossos ouvidos através das milhares de músicas que baixamos da internet, e nossa surdez para com um “outro” que tenta nos falar, que berra ao nosso lado, e de cuja presença só nos damos conta quando este nos toca ou nos fere. É o que nos permitem pensar as imagens de “Indoor”: incontáveis fones de ouvido que se arrastam, qual vermes, para dentro de nossas orelhas, ensurdecendo-nos. E se a música se constituiu na história humana como local da socialização, agora nos individualiza, alienando-nos na hiper-estimulação sonora, que nada diz.
“Indoor”, de Daiana Schvartz, como toda boa arte, adverte sobre seu tempo, compreendendo-o, e nos convida a ver e ouvir este “outro” que o multiculturalismo afirma existir.

Viegas Fernandes da Costa é escritor e historiador, autor de “Sob a luz do Farol” (2005) e “De espantalhos e pedras também se faz um poema” (2008).

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Um texto

Uma sexta que se esvai na sua 23ª hora. Deveria dormir, pois o sábado, aos gritos, autointitula-se como longo. Fuma seu cigarro na janela, pensando em sair com um cachecol. Sente vontades de usar sua nova luz negra.
Apesar do vento, assume para si que melhor seria, ao menos, caminhar e observar as folhas no chão, as chepas de cigarro e as latinhas sendo colhidas por pequenos transeuntes. Pensa em putaria, no íntimo.
Desde que chegara aos 35 anos, no auge de sua produção intelectual – pois fazia mestrado, era um solitário bem resolvido, mas com terríveis recaídas. É como se realmente o cio não tivesse envelhecido na longa história da ancestralidade até a civilização. Como um religioso fundamentalista tem seus rituais duros e perpétuos, ele sentia sempre por dois ou três dias uma angustia que se esvaia diante da epiderme alheia, liberta de roupas e morais. Depois, como se a ejaculação fosse um bem sagrado, retorna a ser um solitário bem definido, até mesmo auto-suficiente. Perde-se nos dias e noites que somem. Come frutas, produz artigos, escreve cartas e tem amigos. Mas naquela maldita cota mensal, quase um mandamento de seu corpo, gosta de ereção, cerveja barata e de locais esfumaçados. Aqueles movimentos de quadris em que liberamos os chakras sexuais! Um corpo chama outro. Quer deslizar acompanhado. pela madrugada em vastos campos verdes de idéias ruborizantes.. Pensa no rijo. E no riso do gozo. Gozar, precisava urgentemente sair e gozar. Faria um roteiro de tipo sórdido. Cavaria possibilidades e sua mente pôs-se a construí-las. Dedicou-se a encontrar documentos, preservativos. Até mesmo usou perfume, coisa que detestava. E pensou em bucetas, e beijos e vielas. Até em praças e banheiros cogitou situações insinuantes. Não queria prostitutas. Queria moças cuja fantasia eram como a sua. Estava pronto, seu pênis já ereto de tantas fotografias eróticas que foram tornadas filmes a passar pela sua cabeça. Fechou a janela e sentiu o frio. Enrolou seu pescoço num cachecol vermelho e foi buscar outras duas distrações para o terrorismo sexual que se propunha para a noite de extravagância da libido: cigarros e seu MP4 com suas canções etíopes recém-achadas. Trancou sua porta, abriu as vontades. Estava eufórico como quem está num safári. Faria como se estivesse sendo dirigido de alguma maneira por Tinto Brass. No 13º lance da escada tropeçou. Foi achado pelos vizinhos no dia seguinte.

Oficina e espetáculo de teatro na 3ª etapa do Palco Giratório/SESC

O Sapato do Meu Tio é a história de dois palhaços: o tio e o sobrinho. Ambos vivem na miséria, embora o tio ostente orgulho por um passado de fama e glória, do qual só restam os velhos cartazes. Sobre uma carroça, os dois viajam de cidade em cidade. De início o sobrinho é um mero puxador de carroça, subserviente e resignado de sua condição de servo de um grande artista. Com o tempo, o aprendizado se faz em via dupla: juntamente com as técnicas e o apuro artístico, o sobrinho aprende de seu tio a vaidade e o tio toma consciência do valor da humildade do mais novo. Nessa viagem, vida afora, alternam-se momentos de angústia, dor, alegria, tristeza, riso e lágrimas. Trata-se de uma homenagem ao ofício do palhaço. Embora a peça narre a história de dois artistas mambembes, vivendo uma situação específica, o seu significado pode ir além, por falar da transitoriedade da vida, da solidariedade, do respeito mútuo, do aprendizado e crescimento do ser.

Oficina de Teatro
Ministrante: Cia do Meu Tio - Salvador/Ba
Dia: 15 e 16 de setembro
Hora: 14 h às 18h
Vagas: 20(vinte)
Local: Fundação Cultural de Blumenau - Sala 110
Inscrições: R$15,00 (com direito a certificado e ingresso do espetáculo)
Informações: no SESC – Rua Dr Amadeu da Luz 165. 47 3322 5261

O Sapato do Meu Tio
Ingressos: R$10,00 (inteira), R$7,00 (Clube do Assinante A Notícia), R$5,00 (Cartão SESC, meia)
Dia: 16 de setembro - terça-feira
Hora: 20h
Duração: 01h45m
Indicação: Teatro adulto – clown (classificação livre)
Informações e vendas: no SESC – Rua Dr Amadeu da Luz 165. (47) 3322-5261
Ingressos: R$10,00 (inteira), R$7,00 (Clube do Assinante A Notícia), R$5,00 (Cartão SESC, meia)
Informações e vendas: no SESC – Rua Dr Amadeu da Luz 165. (47) 3322-5261

Um poema e uma dica.


PARÁBOLA


Poesia,

que coisa é essa?
Pode ser o simples
motivo da festa
(injeção na testa,
por que não?).
Pode ser que
não se contenha
das necessidades diárias
(É daí que surge o
poema,
calça-plástica mental
para as fezes mentais
do poeta).


Brincando, brincando... queria chegar mesmo é na divulgação desse site aqui, um tal Cronópios.

Descobri-o assim, sem querer e fiquei assustado. Primeiro por falar dessas coisas desinteressantes, como literatura, teatro, artes plásticas, dança... Depois, por ter um time de primeira qualidade escrevendo. E um time mesmo, muita gente bacana. Agora, o que me deixou estupefato é a quantidade de leitores/colaboradores do site. Bah, é o fim do mundo.

Dêem uma olhada. E o Escambau, hein, tá arrebentando! Viva!

Abraços!
.
.
.
.


.
.
.

A vida imita a arte



Quem disse que o Bush é burro? O novo livro preferido dele é 1984, do Orwell.

Em uma proposta anunciada pelo Departamento de Justiça dos EUA, as polícias locais e estaduais poderão receber permissão para coletar informações dos cidadãos e compartilhá-las com diversas agências de inteligência federais. A polícia poderia visar grupos e indivíduos suspeitos, potencializando os já controversos métodos estabelecidos pela CIA.


Washington Post, edição de 16 de agosto de 2008.
por Spencer S. Hsu e Carrie Johnson
(tradução minha)

"O Departamento de Justiça americano propôs uma nova medida de espionagem doméstica que tornaria mais fácil para o Estado e para os departamentos de polícia locais coletarem informações sobre os norte-americanos, compartilhar os dados pertinentes com as agências federais e mantê-los por até 10 anos.

As mudanças propostas revisariam as regras de coleta de informações do governo federal pela primeira vez desde 1993 e se aplicariam a qualquer uma das 18.000 agências de polícia locais e estaduais, que recebem aprox. U$1.6 bi a cada ano em benefícios.

Revelada discretamente no fim do mês passado, a proposta é parte de uma série de mudanças nas agências de inteligência, planejadas pela administração Bush nos seus meses finais. Estas mudanças incluem uma recente ordem executiva que guia a reorganização das agências de espionagem federais e uma revisão dos procedimentos do FBI para coletar informações e investigar casos de terrorismo dentro dos EUA.

Os críticos dentro e fora do Congresso dizem que as medidas têm a intenção de restringir as políticas do sucessor de Bush e camuflar atitudes controversas do pós-11/09 que expandiram o poder presidencial, algo inédito desde a era Watergate.

Os apoiadores dizem que essas medidas simplesmente regularizam práticas antiterrorismo já existentes, endossadas por legisladores e experts independentes, tais como a Comissão 11/09. Eles dizem que as medidas irão preservar os direitos civis e são sujeitas a ajustes
internos."

Leia o artigo completo em:
http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2008/08/15/AR2008081503497.html?hpid=topnews

Caixa Cultural

Abertas inscrições do Edital caixa Cultural para circulação de obras de arte. Mais informações no site: www.caixacultural.com.br

Funarte distribui cem bolsas de estímulo à criação e à reflexão crítica sobre as artes

Em uma iniciativa inovadora, a Funarte concede bolsas de R$ 30 mil para viabilizar projetos em artes visuais, literatura, artes cênicas, fotografia e música. Também serão concedidas bolsas para projetos de reflexão crítica sobre cultura popular e sobre manifestações artísticas em mídias digitais. Saiba Mais

Abertas inscrições para Prêmio CNI Sesi de Artes Plásticas

Estão abertas, a artistas de todo o país, as inscrições para a terceira edição do Prêmio CNI Sesi Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas. Serão premiados cinco artistas. Cada um receberá, além da bolsa de trabalho no valor de R$ 30 mil – para desenvolver e aprofundar sua produção durante um período de 12 meses – o acompanhamento de um curador ou crítico de arte e uma grande exposição coletiva que percorre cinco capitais brasileiras.

Os trabalhos premiados e os textos críticos serão publicados em um catálogo bilíngüe retrospectivo de suas carreiras. Ao final, cada artista doa uma obra para um museu público do país. Em sua primeira edição (2004/2006), o Prêmio recebeu inscrições de 927 artistas. As inscrições são gratuitas. Mais informações e regulamento: http://www.sesi.org.br/premioartes.

Mais sobre o painel

Prometi me controlar, mas, como disse o Cubiak, saímos de lá com maçãs atravessadas na garganta. Então, não me controlo:

Decepção, vergonha, constrangimento, riso, desesperança... Alguns dos sentimentos que me pulularam as entranhas no momento do painel com os candidatos a prefeito e também no pós-painel. O que foi isso??? Ficou muito claro, realmente, que a arte, a cultura não fazem parte de sua pauta.

Para se ter idéia, os candidatos desconheciam a estrutura da Fundação Cultural, o orçamento destinado à cultura pelo município, o Fundo Municipal de Cultura, as ações já realizadas pela entidade. Apenas para dar uma ilustrar o que digo, e esclarecer a quem não esteve presente, foram momentos como:

- Se for eleito, vou criar um editora municipal, porque Blumenau precisa de uma editora municipal, vinculada à Fundação (Meu caro, a Editora Cultura e Movimento existe há 10 anos!)

- Se for eleito criarei um Fundo de repasse de verba direto aos artistas, para a viabilização de seus projetos (Caro candidato, o Fundo Municipal foi criado e aprovado na gestão anterior, passando a vigorar na atual, e já está em sua terceira edição!!)

- O que o senhor acha do atual orçamento do Fundo Municipal, tem propostas para melhorá-lo? O candidato: Qual é o orçamento? Hmmmm? Ah, 300 mil?? Mas 300 é muito pouco para manter toda a estrutura da Fundação Cultural! A Fundação precisa ter um orçamento maior; isso sem falar no fundo que pretendo criar p repassar dinheiro direto aos artistas! (Dãããr!)

- Alguém dos senhores conhece algum projeto ou artista contemplado pelo Fundo? (silêncio)

Provaram que não se interessam pela cultura, que sequer lêem jornal (tendo em vista que muitas ações e projetos são divulgadas na imprensa, sou testemunha e até colaboradora disso) e que, além de mal-informados , são preguiçosos (não tiveram a iniciativa mínima de navegar no site da FCBlu antes de ir ao debate), mal assessorados e sem uma equipe competente na área e portanto sem propostas.

Outra triste constatação foi o teor conservacionista de suas idéias. Para os candidatos cultura é preservação e conservação de tradições e culturas, manutenção do passado (não desmereço sua importância mas critico sua exclusividade e priorização), e muito pouco, ou nada, se falou de fomento às atuais produções, de formação de novos artistas e apreciadores.

Isso, sem mencionar e entrar em detalhes, aqui, nas piadinhas, bizarrices, saídas pela direita (ou pela esquerda?) e despautérios que timos que ouvir de suas bocas.

Por fim, no encerramento do debate, um ‘classudo’ tapa de luvas da presidente do Conselho, que no mínimo deve tê-los deixado encabulados (será que eles têm vergonha?). Aliás, excelente a iniciativa do Conselho! Acabou sendo um magnífico raio-x , em poucos minutos os próprios candidatos se despiram.
Candidatos, ainda está em tempo de olhar para o próprio rabo, ter um pouco de humildade, e correr atrás do tempo perdido, que o vexame deste debate lhes sirva de oportunidade....
Socuerro el justiciero!

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

ESCAMBAUS

Poxa, vim com a língua fervendo de veneno para falar do Painel de ontem com os candidatos a prefeito. Afinal, fiquei muito decepcionado. Demonstrado, por descuido da história e de assessores, que nossos governantes não aprendem nunca. Que parece que todos estudaram em escolas de São Paulo com o método da Progressão Continuada.

Poxa, pleno século XXI e ainda querem vender a cidade como Disneylândia? Não ouvi nenhuma vez “Gestão Cultural” ou “Política Cultural”. E pior, em pleno século XXI os candidatos ainda falam em levar isso aquilo e cachimbo para as comunidades. O que? Ainda não levaram? Bando de incompetentes.

/alias, o “varal” me deu tesão. pensei fetiches sado...uuu/

Parabéns ao Conselho pela iniciativa. Porém faltou interação. Acho que deveria ter acontecido desde o início. Foi uma pena. Queria muito ter me manifestado, assim como muitos daqui. Quem é sério, mas ainda enxerga o carneiro dentro da caixa e não for assessor dos “homi” saiu com maçãs na garganta.

ALI et al. Sinto “borbulhas de amor” ao escrever aqui. Num momento divã, sempre quis expor minhas idéias, acho isso importante demais, mas nunca deu certo. Nossa, aqui, amo todos! Leio e sou lido. Informo, me informo e me formo. Lindo lindo isso aqui.

Por muito escambau!

Petrobras Cultura 2008/2009

Olá.

Vem aí nova edição do Programa Petrobras Cultural. Neste ano a Petrobras irá reprisar o edital para Criação Literária: Ficção e Poesia. Trata-se de incentivo para fomentar a produção literária no país. Cada autor receberá prêmio equivalente a uma bolsa de R$40 mil e mais R$7 mil de auxílio à editora para viabilizar a publicação da obra.

Ficou interessado? Que tal tirar todas as suas dúvidas sobre o Programa Petrobras Cultural em um chat com a Gerente de Patrocínios da Petrobras, Eliane Costa, e o responsável pela seleção pública do setor de Literatura, Giuseppe Zani?

O chat vai acontecer na quinta-feira, dia 28 de agosto, das 15 horas às 16h30. A primeira meia hora irá tratar de questões do Programa Petrobras Cultural e a hora final será dedicada especialmente para o setor de Literatura.

Não perca essa chance. Para participar, acesse o site do PPC no momento do chat: http://inmailing.insite.com.br/mod_perl/redir.cgi?acao=redir&id=75005&u=carona@ciacarona.com.br&url=http%3A%2F%2Fwww.petrobras.com.br%2Fppc.

E anote na agenda: outros chats acontecerão nos dias 11 e 25 de setembro, 9 e 23 de outubro e 6 e 13 de novembro, sempre com espaço para aspectos gerais do Programa Petrobras Cultural e questões específicas do edital de cada setor.

Sobre o Programa Petrobras Cultural 2008/2009

Graças a um "Acordo de Cooperação Técnica" a ser firmado entre a Petrobras e o Ministério da Cultura, não será exigida a prévia aprovação na Lei Rouanet para a inscrição de projetos (com exceção do setor cinema, área de produção e distribuição, longa-metragem, cujos projetos já deverão dispor da aprovação na Lei de Incentivo - Audiovisual).

A próxima edição do programa terá as inscrições abertas no dia 15 outubro. Nesta data, a Petrobras disponibilizará no site do PPC os formulários de inscrição para a linha de atuação "Produção e Difusão", nos seguintes setores de seleção pública: Audiovisual, Cultura Digital, Música, Artes Cênicas, Literatura. Em abril de 2009, serão abertas as inscrições para as seleções públicas das linhas de atuação "Preservação e Memória" e "Formação".

FICÇÃO, LEITURA E IDENTIDADE




26 a 29 de agosto de 2008

CONVITE

Nos dias 26, 27, 28 e 29 de agosto do corrente ano, a FURB, em parceria com a Fundação Fritz Müller, realizará o 1º Encontro de Leitura e Arte de Santa Catarina e o 3º Fórum Brasileiro de Literatura de Blumenau.

O evento ocorrerá nas dependências da Fundação Cultural de Blumenau e na FURB, conforme cronograma abaixo. Convidamos você a participar do evento e divulgá-lo amplamente. É uma oportunidade para incentivar a formação de leitores críticos e apreciadores de literatura, artes visuais, música e teatro.

Programação

1o. Encontro de Leitura e Arte de Santa Catarina e

3o. Fórum Brasileiro de Literatura de Blumenau

18:30 – FCBLU

26/08/08 – Abertura

Palestra: Blumenau – Ficção, paixão, identidade.

Dr. Godofredo de Oliveira Neto

27/08/08

Palestra: As malasartes do diabo na literatura ocidental

Dra. Salma Ferraz

Noite de autógrafos

28/08/08 - Mesa redonda:

Poesia blumenauense – de onde viemos, para onde vamos

Marcelo Labes, Dr. José Endoença Martins, Ms. Marcelo Steil, Mauro Galvão

Noite de autógrafos

14:00 – FCBLU

29/08/08 – Abertura da exposição “Ler é pra cima”

19:00 – Auditório Bloco T – FURB

29/08/08 – Palestra:

Moving Beyond Plateau – from Intermediate to Advanced Levels in Language Learning

Daniela A. Meyer

Inscrições: http://www.ffmblu.com.br/ ---- Informações: cce@furb.br - (47) 3321 0251
Coordenadoras: Maria José Ribeiro, Marilene de Lima Körting Schramm.

Deu pra ver ali a mesa-redonda? Pois bem, ela acontece justamente como complemento (ou contrapartida) do Projeto Falações. Antes de apresentar os integrantes da mesa, é necessário um agradecimento especial às professoras coordenadoras do evento, Tuca Ribeiro e Marilene Schramm, que adotaram a idéia da mesa-redonda, proveniente do projeto Falações, como parte integrante e necessária para o debate em torno da literatura.

Pois bem, participarão da mesa, portanto, quatro escritores de Blumenau que têm em comum publicações em poesia. No entanto, é preciso fazer a justa ressalva de que este colóquio inicial sente falta de algumas pessoas; mas pode ser o ponto inicial para uma série de conversas a respeito da produção literária a partir de Blumenau.

Dos participantes:

Foram convidados a integrar a mesa pessoas que podem ser consideradas peças-chave da poesia em Blumenau. A começar, portanto, a apresentação destes debatedores, elucido seus contatos com a cronologia da literatura blumenauense, para ficar claro.

Marcelo Steil, além da conhecida e respeitada produção poética na década de 1990 (de quando datam alguns das mais importantes obras literárias desta região), Steil também pôs-se a pesquisar a literatura em língua alemã escrita no Brasil no século XIX. Ao lado de Valburga Huber, Steil é um dos pesquisadores que com maior segurança pode falar a respeito deste fenômeno imigrante que foram a produção poética e o silenciamente ocasionado pelos ideais do Estado Novo, de Vargas.

José Endoença Martins é poeta, escritor e dramaturgo. Não bastasse, é o grande teórico da produção literária em Blumenau. Emprestando conceitos como Deutschtum e Brasilianertum, Saudade e Esperança, de Huber e Steil, Endoença questiona a Blumenalva e a Nauemblu, correntes teórico-literárias opostas e dependentes uma da outra. Figura, hoje, como um dos maiores poetas de Santa Catarina.

Mauro Galvão, ao lado de Steil e Endoença, integrou o grupo de poetas experimentalistas da década de 1990. Tendo publicado seu último livro em 2002, tem muito a compartilhar a respeito de poesia. Com uma escrita seca e de alta informatividade, Galvão encontra-se dentre os escritores pós-modernos catarinenses; embora respeitado pela crítica, ainda merece aprofundamentos em sua literatura.

Marcelo Labes é este que vos escreve. Com uma participação quase-ativa na internet, publicou seu primeiro livro neste ano de 2008. Otimista, acredita que ainda há muito que se ler em Santa Catarina. Isso porque leitura quase sempre acaba em escrita. E escrita sobre a leitura, que é o que se faz aqui, é uma das melhores maneiras de se aprimorar a escrita da crítica e dos respectivos escritores. Por isso, enquanto não se decepciona, procura construir debates sóbrios a respeito da produção literária catarinense.

Escambada!


Amigos, faço aqui um post atípico, para agradecer e comemorar este escambau, que vem acontecendo de maneira tão tão tão... bacana!
Primeiro foi a festa Escambau, no dia 16, um troca-troca maravilhoso, que nos brindou com o prazer da arte e de encontros inusitados e intensos..
Agora, diariamente, o blog nos coloca mais perto das idéias e produções do pessoal, este troço coletivo...
Em pouco mais de um mês - desde que o blog foi lançado no dia 16/07 até este momento- foram 66 postagens, de 20 autores diferentes, dezenas (?) de comentários, 1409 visitas, vindas de 116 cidades de todo o mundo.
Mas, os números não importam.... O que importa é, como diria nosso querido cubiak/freire, é o tesão!!! viva o tesão! viva o troca-troca, a miscelânea e o escambau...

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

FELA KUTI

Nigéria, 1970. Estava declarada a independência. Separava-se assim, a República de Kalakuta. Era época de ditadura militar na Nigéria. O general no poder chamava-se Yakubu Gowon, deposto em 1975 por mais um golpe militar e os golpes sucediam-se sucessivamente.

AFROBEAT – um mix saboroso (picante, pero sabroso), espírito e corpo balançam. No palco, muitos instrumentos e muita gente. Influências do jazz, funk, highlife, música yorubá, vozes e percussão todos combinados repetidamente e com muita energia. Uma festa diversa pulsante. Surge na Nigéria, nos anos 60. Há forte crítica social nas letras.

Abeokuta, 1938 – nasce Fela Anikulapo Ransome Kuti. Tem uma mãe feminista Funmilayo Ransome-Kuti, atuante no movimento anti-colonial (achei importante ter uma mãe feminista).




Política: algo que você não gosta e deixa para outros fazerem.

Fela Kuti – um músico dos grandes, pouco valorizado como toda a África. Entrava em transe percussivo (li isso e gostei – Last FM) com seu saxofone, acompanhado por uma profusão de instrumentos e vozes. ele criou uma obra tão vasta quanto densa, de valor inestimável e de fácil aceitação. Mas como a África, Fela Kuti é deixado de lado da história mundial, como um gigante incompreensível, uma floresta fechada onde nenhum homem jamais esteve. A obra do filho mais controverso da nação nigeriana não é apenas de fácil aceitação como perfila-se muito bem ao lado de senhores do ritmo como James Brown, George Clinton, Miles Davis, Afrika Bambaataa e Marley - todos conduzindo seu público a um êxtase coletivo baseado na fusão de ritmo e eletricidade, sempre num redemoinho de instrumentos tocados de forma radical, ao extremo. Teclados, bateria, percussão, trombones, guitarras, backing vocals, bailarinas, trumpetistas, baixista, saxofonistas — todos seguindo o fluxo ininterrupto de som, uma avalanche sônica que corre com a força da correnteza de um rio” (http://www.lastfm.com.br/music/Fela+Kuti).



Década de 60 - Kooala Lolitos – primeira banda de Fela Kuti, montada em Londres onde estudou música e continuada na Nigéria.

Polêmica – Músicas como "International Thief Thief”, "Coffin for Head of State" e "Unknown Soldier" nunca agradaram as autoridades nigerianas, mas seu enterro, em 1997 (morreu vítima da AIDS), foi seguido por mais de um milhão de nigerianos.

República Kalakuta – Uma casa-comuna, com um estúdio de gravações e espaços para os caras das bandas morarem. Como isso é muito pouco para um negro que havia recém-chegado de uma turnê pelos EUA e entrado em contato com os blackpowers, Martin Luther e Malcom X: abre uma boate num Hotel (Afro-Spot) onde produz muitos discos todos engajados, falando da situação social do povo nigeriano, da corrupção, violência, exploração multinacional. Para transformar Kalakuti num “oásis” estranho entre as areias e petróleo, Fela Kuti casou-se com 27 mulheres, como na tradição yorubá, e andava pelado pela comuna o dia inteiro e fumava baseados cujos tamanhos eram ontológicos.


Repressão – preso dezenas de vezes, um dia mil soldados invadiram a comuna, fortemente armados, estupraram as mulheres de Fela na sua frente, jogaram a mãe dele de 80 anos pela janela do 2º andar e o espancaram até quase a morte.

Produção - nada menos que 58 álbuns. Porcaria? Nenhuma. Tudo é lindo, faz o corpo mexer, em verdade, pulsar!

Lifestyle – Não era fraco. “Era contra direita ou esquerda, apoiava um movimento chamado PANAfricanismo, que seria a união dos países africanos contra as ditaduras ainda em voga. Acreditava na poligamia e na poliginia, e em altares pessoais e portáteis, em gastar todo o dinheiro hoje, em fumar baseados do tamanho de temakis todo dia o dia todo. Fela seria levado pela 200 vez (o número é real, não é exagero) perante as cortes e aos juízes nigerianos quando, declarou certa vez ao vivo em um programa que a maconha - Era sua melhor amiga, um presente de Deus ao povo africano, - atestando na próxima frase que era direito dele fumar quantos baseados desejasse, inicialmente como homem, depois como senhor de 57 anos. (http://blog.myspace.com/index.cfm?fuseaction=blog.view&friendID=253578999&blogID=334113690)

Sugiro você agora mesmo procurar Felá Kuti, baixar suas músicas, cerrar o pulso e ser arrebatado pelo ritmo.

E para conhecer melhor a grande música nigeriana: http://www.nigeria-arts.net/Music/Afrobeat/?Directory


Saúde a tod@s!

UM PROGRAMA LEGAL.....



Lúcido ou Louco? Ou lúcido e louco?

Ou quem tem medo de Cuba?

Não perca por nada!

Em setembro, na cidade de Blumenau.

E não é só.

Um jovem cubano tem vontade de deixar seu país.

------------

“El Caballero de París. Um sem-teto espanhol que viveu em Cuba. Estatura mediana, cabelos longos, castanhos escuros, barba a fazer, de porte gracioso, sempre vestido de negro com sua capa longa que voava ao vento enquanto andava. Nunca foi violento nem grosseiro, ao contrário, era um homem muito gentil e bondoso.
Podemos dizer que talvez quisesse se esquecer das coisas muito tristes e a loucura foi um escape apropriado que sua mente alienada inventou. Muito se tem escrito sobre a origem deste personagem inesquecível, José María López Lledín, El Caballero de París.

Pode-se dizer que nasceu no século XX. Dizia ter nascido em 30 de dezembro de 1899 na Aldeia de Vila Seca, na Espanha e que chegou a Havana em 1913. Aos 14 anos de idade, sua família consistia em 11 irmãos e irmãs. Dizem que chegou no navio Valvanera, que naufragou na costa cubana no início do século XX (talvez esse tenha sido um dos motivos de sua demência). Também se fala que ao ser acusado de um crime que não cometeu sua tristeza foi tanta que perdeu a razão.

O que se sabe é que esse legendário caminhante presenteava as mulheres com rosas, canetas e cartões coloridos fabricados por ele mesmo, contava histórias principescas pelas ruas, enfeitando o cotidiano da capital cubana. Em 1977, ele denominaria a si mesmo “El Emperador de la Paz. Internado no Hospital Psiquiátrico National de Cuba, em Mazorra, morreu no verão de 1985, aos 85 anos. Seus restos descansam no Cemitério Santiago de las Vegas, em Havana.

----------

Habana: uma cidade em transformação permanente.


No palco, José Antonio Alonso, um dos fundadores do Teatro Buendia, o mais importante de Cuba revela uma intensa geografia da dor, da fome, dos delírios e visões de uma cidade que mudava vertiginosamente, enquanto o personagem sozinho envelhecia secretamente, mantendo uma do gesto, da imagem, que sempre nos assombra. O ator mostra a história do personagem, sua condição de imigrante, sua juventude, as perdas familiares e outros fatos que podem ter originado seus transtornos mentais.

Maiores informações: 47 -3340 2317

Márcio José Cubiak.

Nova opção de cinema no SESC Blumenau

Serviço Social do Comércio de Blumenau inicia em Agosto sua programação de Cinema.
Neste ano o SESC tem uma novidade. O Serviço Social do Comércio assinou com o Ministério da Cultura uma parceria para disponibilizar em sessões gratuitas filmes do Projeto PROGRAMADORA BRASIL. Realizada por meio da Cinemateca Brasileira e do Centro Técnico Audiovisual (CTAv), a Programadora Brasil é uma iniciativa de disponibilização, por meio de uma permissão de uso, de filmes e vídeos brasileiros para cineclubes, Pontos de Cultura, escolas, universidades e centros culturais. Paralelamente, são objetivos do projeto formar platéias, fomentar o pensamento crítico em torno da produção nacional, apoiar a formação de uma rede não-comercial de exibição e estimular a organização dos circuitos já existentes. O SESC Blumenau no mês de agosto dará início as exibições de curtas e longas – metragens integrantes do Projeto Programadora Brasil. O Setor de Cultura elaborou uma Programação para os amantes do CINEMA.

Serviço:
Programadora Brasil
Período:
segunda à quinta-feira
Sessões: 09h e 15h
Local: SESC - Rua Dr Amadeu da Luz 165
Agendamento e programação: jamildias@sesc-sc.com.br ou 47 3322 5261 /Jamil Antonio Dias, Cultura - www.sesc-sc.com.br

Leia também: Cinema no SESC

Prêmio SESC de Literatura 2008 prorroga prazo para inscrições

O Serviço Social do Comércio SESC-SC anuncia que está estendendo o prazo para inscrições na sexta edição do Prêmio SESC de Literatura. Escritores que ainda não possuam livro publicado terão agora até o dia 15 de setembro para efetuar a inscrição, podendo concorrer nas categorias romance e conto.

O concurso tem por objetivo premiar textos inéditos, escritos em língua portuguesa, por autores brasileiros ou estrangeiros residentes no Brasil.As obras recebidas serão analisadas por comissões julgadoras compostas por especialistas em literatura de vários estados e escritores escolhidos pelo SESC.

Os vencedores de cada categoria serão premiados com a publicação e distribuição de sua obra pela Editora Record, em todo o país. Vencedor na categoria conto, ano passado, com a coletânea “Beijando Dentes” Maurício de Almeida, 26 anos, de Campinas, destaca que a premiação é importante porque coloca o escritor em contato com os leitores e também com outros escritores. “O interessante deste prêmio é que ele faz a obra circular, colocando o escritor que está iniciando no mercado”, afirma. Para quem quiser se inscrever, o edital completo com ficha de inscrição, que é gratuita, e todas as informações, já está disponível no site www.sesc.com.br.

O resultado do Prêmio SESC de Literatura 2008 será divulgado em janeiro de 2009. Em Santa Catarina, as inscrições dos originais de romances e as coletâneas de contos inéditos, de acordo com o previsto no edital, devem ser enviadas para: Departamento Regional - SESC Santa Catarina A/C Setor de Cultura - Valdemir Klamt/ Maria Teresa PiccoliRua Felipe Schmidt, 785 - Centro CEP 88010-002 Florianópolis-SC Fone: (48) 3251-4837

Os vencedores de 2007
Na edição do ano passado, participaram 422 escritores brasileiros que nunca publicaram livro. Dois paulistas foram os vencedores: Sergio Guimarães, autor do romance “Zé, Mizé, Camarada André: notícia de Angola”, e Mauricio Fiorito de Almeida, com a coletânea de contos “Beijando Dentes”.

Os livros foram lançados em julho, na Academia Brasileira de Letras. Cada título tem quatro mil exemplares, que estão sendo comercializados e distribuídos também à rede de bibliotecas do SESC em todo o país. “Zé, Mizé, Camarada André: notícia de Angola” versa sobre a independência de Angola e sobre as experiências de um jornalista brasileiro no país, e nasceu da vivência do autor na África, entre 1978 e 1980. Já “Beijando Dentes” trata principalmente da incomunicabilidade entre as pessoas, tema que sempre despertou a atenção de Maurício de Almeida, formado em Antropologia. Entre os inscritos, 43 livros de contos e 26 romances foram pré-selecionados pelas subcomissões regionais, que trabalharam nesta edição no Pará, Paraíba, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná. A comissão final foi formada por Miguel Sanches Neto e Raimundo Carrero, para os romances, e Leyla Perrone-Moysés e Daniel Piza, para as coletâneas de contos.

Inscrições abertas para o 10º Catavídeo

De 15 de agosto a 15 de setembro

Em 2008 a principal janela de exibição do audiovisual independente de Santa Catarina completa uma década. Dividido em oficinas profissionalizantes, mesas de debates e mostra de vídeos, o principal objetivo do Catavídeo - Mostra de Vídeos Catarinenses é estabelecer um canal livre de exibição e discussão entre os realizadores de vídeo e o público espectador no estado de Santa Catarina.
Além de formar público e incentivar a troca de experiências entre os realizadores do Estado, a mostra também pretende incentivar ainda mais a produção audiovisual de vídeo, fornecendo ferramentas de capacitação profissional para os que já produzem vídeos no Estado e para aqueles que pretende iniciar a jornada como produtores de vídeo nas suas mais diversas temáticas.
Realizado pela Associação Cultural Alquimídia e o Fundo Municipal de Cinema de Florianópolis – FUNCINE, em parceria com o SESC-SC, o Catavídeo abre suas inscrições no dia 15 de agosto e encerra dia 15 de setembro de 2008.
O regulamento e a ficha de inscrições (para preenchimento on-line ou download) estão disponíveis no site http://www.catavideo.org/.
Outras informações:
Escritório de Produção: Funcine - Fundo Municipal de Cinema de Florianópolis. Forte Santa Bárbara, Centro, CEP: 88010-410, Florianópolis / SC Expediente: 13:30h às 18:00h (de segunda a sexta-feira)
Fone: (48) 3224-6591
E-mail: catavideo@alquimidia.org
Site: www.catavideo.org

terça-feira, 19 de agosto de 2008

imperdível! quem não puder fazer o curso...
aproveite pelo menos a palestra!
clique na imagem e veja em tamanho legível.



SESC OFERECE OFICINAS DE DESENHO

Oficina de desenho e pintura sobre papel

Período: 25 e 26/08
Horário: 14h - 18h
*direcionada para o público adolescente

Oficina de Desenho/Stencil

Período: 26 e 27/08
Horário: 19h – 22h
*direcionada para o público adulto

Todas as oficinas são gratuitas, mas com vagas limitadas 10(dez) para o público adolescente e 20(vinte) para o público adulto.

Oficinante: Daiana Schvartz

Informações: Jamil Antonio DiasCultura - SESC
47 3322 5261 jamildias@sesc-sc.com.br

Cia Carona de Teatro o mês de Setembro...

"Volúpia" em Festivais Nacionais.



O espetáculo "Volúpia" da Cia Carona de Teatro volta à cena no mês de Setembro. A Cia. foi selecionada para dois Festivais: o CAXIAS EM CENA, na cidade de Caxias do Sul e o XV FENTEPP, Festival Nacional de Teatro de Presidente Prudente, São Paulo.

Ainda neste mês, "Volúpia" participa do projeto Aldeia SESC com duas apresentações. No dia 28 de setembro, apresenta-se pelo SESC Blumenau e no dia 30, em Joinville.






Cia Carona traz grupo cubano a Blumenau.



Nos dias 16 e 17 de setembro, a Cia Carona de Teatro, através de sua produção, traz a Blumenau dois espetáculos do grupo cubano "Teatro del Caballero": "De Paris, um Caballero" e "La octava puerta". Um dos mais festejados grupos de Cuba, "Teatro del Caballero" estará em turnê no estado de São Paulo em agosto. O grupo, sob a direção de José Antonio Alonso já apresentou em países como Alemanha, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Brasil, Colômbia, Holanda, Itália, Inglaterra, Espanha, EUA, República Dominicana, México, Venezuela e Rússia. As apresentações acontecem sempre as 20h30. Ingressos: R$ 20,00 (inteira); R$ 15,00 (sócios do Teatro) e R$ 10,00 (meia-entrada). Maiores informações: 3340 23 17 com Márcio ou produção@ciacarona.com.br.


Quando?

16 de setembro - "De París, un Caballero" - 20h30 Pequeno Auditório Teatro Carlos Gomes

17 de setemrbo - "La octava puerta" - 20h30 Pequeno Auditório Teatro Carlos Gomes



AGUARDEM OUTRAS INFORMAÇÕES!!!!



.
.
.
.
.
charge chupada do blog do solda:

Orquestra de Câmara de Blumenau apresenta "As Quatro Estações em Santa Catarina"



A Orquestra de Câmara de Blumenau, uma das mais prestigiadas do gênero no Brasil, convida para o concerto "As Quatro Estações em Santa Catarina", que integra o projeto do Circuito Catarinense de Orquestras. A OCBlu é regida por Daniel Bortholossi e terá como solista o violinista italiano Daniele Girardello, também spalla da Orquestra.

No programa, o Divertimento III K.138, de W. A. Mozart; e As Quatro Estações, de A. Vivaldi.

A apresentação é gratuita e os ingressos podem ser retirados na bilheteria do Teatro a partir do dia 18 de agosto.

As Quatro Estações em Santa Catarina
Dia 26 de Agosto - 20:30 horas
Local: Teatro Carlos Gomes / BLUMENAU – SC
Visite o site: http://www.orquestradeblumenau.com.br/ para saber mais.

domingo, 17 de agosto de 2008



Encantar é preciso!

Os Tempos pós-modernos estão marcados pela aceleração do tempo e da vida. Acelerar significa resolver problemas de maneira que este tome menos tempo e energia, o que pode gerar decisões mais frágeis do ponto de vista do pensamento. Frágeis também estão as relações entre as pessoas e pessoas-instituições. Eu não duvido de sua capacidade de amar, caro leitor, mas duvido que o amor e outros sentimentos ainda sejam importantes. Sentir amor demanda tempo. Os sentimentos e a esfera da subjetividade foram tragados pelo Tornado chamado monetarização. O intelecto raciocina como se fosse sempre necessário maximizar ganhos. É antes o trem-bala em ação. Se na modernidade a locomotiva era símbolo de um mundo a se transformar, imagine a nossa sociedade de laços líquidos.

Mas veja, o que escrevo não é saudosismo romântico. Pretendo, antes, dizer: estou com medo, não sei como agir.

Oh fragmentado mundo, cheio de dores e delícias.

Adoro essa época sem Instituições fisicamente coercitivas, sem uma fogueira em cada praça pública. Aliás, gosto é de praças com Figueiras e Ipês coloridos. Gosto de sair a noite pelas ruas e pensar: estou bêbado e nem uma autoridade pode me recolher, seja como doente mental, marginal. A autoridade ainda existe, a serviço do patrimônio privado, cada vez mais pronta para agir em nome da defesa do carro importado, do condomínio fechado, dos closets cheios de gravatas, plumas e Pradas. Uma propriedade privada deve estar sempre limpa, para isso uma horda de serviçais: policiais a recolher e enclausurar o lixo social; políticos a legislar em favor de contas com mais de 9 dígitos. As Instituições não são física, mas psiquicamente coercitivas (“compre Batom!”).

Ao final deste parágrafo concluo: ou fui contraditório ou é a época das contradições.

Ou será como as modas: é possível combinar tudo com tudo. Flexível. Carros Flex., planos de saúde e telefonia Flex. O novo e moderno e o futurista e o de outro planeta.

Blumenau está imune a isso tudo? Parou num tempo passado que fica a olhar para o futuro? Ou sente o eterno peso do presente? Vive nas barbas do local ou no cardápio de pratos pós-moderno? Tudo isso para pensar no Painel sobre Propostas Culturais, que vai acontecer em breve.

Somos todos homens e mulheres de pensamento. Pensar é buscar respostas e soluções para um dado, um acontecimento. Mas que aceitemos nossa condição de moradores de época do semiculto. Dialogar é preciso, uma ética comunicativa. Acho que não é o quadro atual das nossas políticas culturais. Entreter sim, mas não esquecer-se dos diálogos. Gastar recursos e tempo com projetos que busquem a autodeterminação e autonomia das pessoas. É preciso que todos sejam artistas do esquizofrênico, a exigir sim recursos financeiros para Editais Temáticos regulares, programas e projetos culturais trans (sexuais) trans(versais) e trans(formistas).


Creio que é refletindo sobre nossa condição material-subjetiva que devemos traçar planos para uma política cultural que PRIORIZE maneiras atuais de estancar a sangria do homem/mulher da modernidade líquida rumo ao desencantamento. É preciso jogar o elemento humano num fogo que arda a diversidade. Que cante, encante. Que respeite o outro.

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Filmes no SESC


O SESC está lançando o Projeto Programadora Brasil em Blumenau: filmes de 2ª a 5ª feira, às 9h e às 15h. As sessões matutinas deverão ser agendadas pelo telefone: 3322-5596 ou no e-mail: jamildias@sesc-sc.com.br. A entrada é franca e os filmes serão exibidos no auditório do SESC, na rua Amadeu da Luz, 165 - centro.
Programadora Brasil é um projeto da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura – desenvolvido pela Cinemateca Brasileira e pelo Centro Técnico do Audiovisual (CTAv). O objetivo é disponibilizar filmes e promover o encontro do público - principalmente com o cinema brasileiro.
...
O quê: Projeto Programadora Brasil em Blumenau
Quando: de 2ª a 5ª feira – sessões às 9h e às 15h
Onde: Auditório do SESC (R. Amadeu da Luz, 165)
Quanto: NADA (entrada franca)
Obs.: Estréia no dia 18/08: Piaf - Um Hino ao Amor (9h) e Terra Estrangeira (15h).

Daiana Schvartz no MAB




quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Sobre o Painel...

Aproveitando a oportunidade, já que o tema apareceu aqui, sinto que é necessário juntar nossas subjetividades urbanóides-século XXI e reiventar, permanentemente, as políticas culturais.

Tenho visto que fórmulas e mais fórmulas são copiadas e adaptadas ao local. Já é um avanço a diminuição da cópia pura. Mas ainda assim, não rompemos com o "day-by-day" da cultura: aquela perspectiva que prioriza o eterno enraizado.

Incomoda perceber que o "zeitgeist" da época tem nos vencido e transformado as multidões em indivíduos solitários, frios, egoistamente voltados tão-somente a si. Sei que muitos integrantes deste blogue coletivo não se deixam levar e ainda dançam ciranda. Mais é justamente aí que reside a vitória da opressão: enquanto brinco, viro as costas e peido em direção ao mundo.

Mesmo correndo o risco do burocrático, mas pensando na invenção ou re-invenção do mundo, sugiro um Fórum tesudo por tesão. Esse tesão que só a cultura acende têm que ejacular e fecundar "protomutantes", como sugere o Roberto Freire.

Peguemos pincéis, canetas, máscaras, partituras, silêncio, sapateado, enfim, e passemos a dar vida as políticas públicas de cultura. E que estas sejam sempre postas a mesa, dissecadas para que quando estiverem putrefadas, sejam enroladas e tornadas múmias.

Um Observatório de Políticas Culturais, diverso e infindável que produza cidadania, que rompa barreiras, que inclua/exclua, que acalente, bafore cigarro na cara das pessoas, gire/alterne/rompa as ordens. Que faça a roda do intelecto andar.

Não?

Painel de Propostas para a Cultura



O Conselho Municipal de Cultura convida para o Painel de Apresentação das Propostas para a Cultura, previstas no plano de governo dos candidatos a prefeito de Blumenau. Mesmo pra quem vota nulo, não custa dar uma passadinha e ver se os candidatos sabem do que estão falando.

"Esse é o momento da comunidade blumenauense demonstrar seu interesse e comprometimento pela vida cultural de nossa cidade" - palavras da Noemi Kellermann, presidente do Conselho e gente boa.
O Painel acontece no dia 20 de agosto, das 17 às 19hs, na Câmara Municipal de Vereadores.

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Kid Vinil faz show e lança Almanaque do Rock

Tarde de autógrafos do Kid Vinil na Livraria Alemã, lançamento do livro "Almanaque do Rock".
16/08 - 16h

Desde Elvis Presley até Cansei de ser Sexy, muita coisa mudou no mundo do rock. O caminho musical trilhado pelas diversas gerações chega ao público num lançamento da Ediouro, o Almanaque do Rock, de Kid Vinil.
Dividido por décadas, o Almanaque do Rock faz uma retrospectiva deste estilo musical desde os anos 50 até hoje. É nesta ordem cronológica que Kid Vinil relembra os grandes músicos que influenciaram gerações, não apenas no campo da música, mas também na forma de se vestir e se comportar.
São 248 páginas que reúnem dados sobre as mais diversas tendências do rock, entre elas Bebop, Surf Music, Folk Rock, Psicodelismo, Glam Rock, Jovem Guarda, Rock Progressivo, Tropicália, Heavy Metal, Punk Rock, Grunge e muitos outros, lembrando sempre os principais representantes de cada segmento, no Brasil e no mundo.
Mais: http://www.kidvinil.blogspot.com/ http://www.kidvinil.com/

Show? vide cartaz acima...

Fonte: micheljaques@terra.com.br

Pietá

PIETÁ
Viegas Fernandes da Costa
N’“O Carteiro e o Poeta”, de Michael Radford, faz-se verso o som do vento nos rochedos, “as tristes redes do meu pai”. Em “Powaqqatsi”, Godfrey Reggio nos mostra a Pietá de carne e lama escalando a mina, a cabeça rachada pela pedra. A vida corre assim, entre bestas e amantes, como entender? A mão que planta a terra verga a planta, ceifa o caule, suga o sumo: há uma bandeira no alto do Himalaia, tremula onde ninguém vê, por agora; amanhã tremula um farrapo. Ouço, no entanto, os sinos na torre, os gritos da feira, os uivos dos cães. 10.02.1960 – 23.03.2008: está resumida uma vida, e o rosto na fotografia me sorri a sentença de que fujo. Gravo a eternidade em papel, em placas de bronze, em suportes digitais, e descanso para reler a fábula de La Fontaine: a cigarra, as formigas, e a promessa da fome no inverno; com que direito traumatizam crianças com La Fontaine? Hás de ser formiga, e assim não passas fome! Mentira, porque a função da formiga é dar de comer à rainha, e morrer! Mas esta noite não é cáustica não: retorno à velha poltrona que reinava no sótão do meu avô, às mãos o livro de Lobato e sua Emília. Como seria uma vida de sítio? – matutava. Trepar em árvores, banhos de rio, um Barnabé habitando as margens. O doce torpor de rememorar as noites de livros no sótão do meu avô, o adulto que não chegava em mim. Era o tempo em que ainda havia pés dispostos a correr, a chutar uma bola, a embrenhar-se nos matos da vizinhança. Hoje não há mais pés, tampouco há muita mão, desta resta muito pouco: uma sombra de dedos, uma palma sem alma. Suspiro! O medo de ser abandonado criança à porta da escola, no morrer da tarde: tic tac tic tac tuntum tuntum, e de repente a figura do pai que despontava na curva, o sorriso no rosto. Assim faz-se verso o tempo no sótão, o passeio entre os mortos, as lápides, os epitáfios. Faz-se verso o medo dos tantos trovões que preenchiam os verões e suas tempestades nas férias escolares. E isto que agora se faz verso, era então emoção e idílio. Mas cresceram-me os olhos, e por isso sei da Pietá de carne e lama, sei também de outras Pietás: as de carne e chama, as de fome e ossos, as de pedra vulgar. Sei das Pietás que se arrastam nas sarjetas e pedem esmolas, das Pietás que preenchem de buracos seus peitos tão parcos, e de tantas Pietás que o cinzel e o formão não cansam de compor. Mas no mosteiro persistem as rezas, e nos terreiros e nas capelas. Melhor assim. Ao fim estamos todos parindo um grande poema, um grande e único poema que dirá do vento nos rochedos, do eclipse lunar. É só o que nos resta.
* Permitida a reprodução desde que citado o autor e o texto mantido na íntegra

Mostra Observatório de Cronos



O Projeto SESCiência apresenta, em parceria com a Universidade Regional de Blumenau, a mostra “Cronos – Observatório do Tempo”, que busca levar o visitante a refletir sobre o tempo subjetivo desprovido de visão para que as sensações sejam despertadas. Ao passar pela Mostra, as pessoas são convidadas a perceberem os vários tempos: cronológico, psicológico, meteorológico, etc.

A mostra fica aberta na FURB até o dia 28 de agosto, das 8 às 11h30 e das 14 às 20 horas, na sala S-310, e vai contar com dois ambientes. Em um ambiente está montado o planetário que ajuda a perceber a passagem do dia e da noite. No outro, um túnel permite a percepção do início do registro do tempo. Um mapa com 24 fusos horários possibilita ainda a análise do tempo em diversas regiões do mundo.


SERVIÇO:
Cronos - Observatório do Tempo
Abertura: 13/08 às 20h - Saguão do Bloco A (FURB)
Visitação: 13 a 29/08 - Bloco S / sala S-310
A entrada é gratuita.
Mais informações: c/ Cleonice - cleonice@sesc-sc.com.br