terça-feira, 3 de fevereiro de 2009


.
.


O blumenauense fundamental

...

Certa vez, depois de aturar o papo-aranha de um sujeito que glorificava o estilo ordeiro e empreendedor da cidade, respondi que ele estava falando como um blumenauense típico. Naquela época, e isso expliquei a ele, a posição do adjetivo era crucial para debatermos o tema. Uma coisa é o “típico blumenauense”, aquela caricatura que aparece na TV em outubro, outra bem diferente é o “blumenauense típico”, algo como a caricatura da caricatura. Embora o sujeito não fosse blumenauense de berço (só “de coração”), sinalizou que não havia gostado muito da gracinha. Com a amarela dignidade de um intelectual, farejei o perigo e dei um jeito de sair pela tangente. Mas desde então não esqueci o assunto. Qual seria a expressão, o slogan, a palavra de ordem capaz de sintetizar esse estado de espírito característico da cidade? Descartando a banalidade dos discursos oficiais, tentei encontrar uma resposta na observação do cotidiano.Tenho uma amiga – blumenauense ela mesma – que reclama muito do clima “aquisitivista” da região. Contou-me que foi perdendo os colegas do chope e das baladas porque todos botaram na cabeça que havia chegado a hora de cessar a diversão para adquirir o “casón” e o “carrón”. A imagem é interessante, mas ainda acho que é genérica e um pouco vaga.Pois bem. Após anos de meditação, acho que descobri um retrato capaz de resumir, ao mesmo tempo, toda a grandeza e toda a miséria do blumenauense fundamental (e aqui uso nova nomenclatura para deixar a história do “típico” lá atrás). No último domingo, ao dar uma volta pelas ruas do meu bairro, não pude deixar de perceber a quantidade de pessoas lavando e encerando os seus carros. Nada novo nisso, mas o modo como o blumenauense limpa os automóveis, e em plena tarde de domingo, com o Faustão se esgoelando ao fundo, é uma dessas imagens que valem por mil palavras.Existe uma espécie de ternura, de lascívia, mas também de orgulho e exibicionismo na forma com que acariciamos o mais representativo de todos os bens de consumo, e isso vale para o dono do fusquinha e o do BMW. Digo em minha defesa que tentei me livrar do pensamento, mas não teve jeito. De agora em diante, sempre que alguém mencionar o que seja um blumenauense fundamental, pensarei numa esponja e num sujeito esfregando o capô..

.
Maicon Tenfen

.

.

.

imagem: muto

www.blublu.org

3 comentários:

Clara Mendes disse...

Geente, muito bom esse texto do Maicon. E esse desenho veio muito a calhar :)

Taninha disse...

Ótimo, aliás, o Maicon é ótimo! Sempre apostei nele como talento nato. Sabe escrever sobre Blumenau e sua gente com uma franqueza que pode até machucar hehe... Parabéns!

Anônimo disse...

Estamos pesquisando a realização de uma festa, comemorativa aos 40 anos do CEI Hilca Piazera Schnaider, que se aproxime das culturas de Blumenau, que tenha a nossa cara, a nossa identidade, quem sabe vocês nos ajudam com sugestões?
Diana e Maristela