quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Cartografia do Avesso


Instalou-se a arte

Artistas montam instalações urbanas para interferir na paisagem de Blumenau



A questão é: você realmente enxerga a cidade onde mora? Ou simplesmente passa por ela todos os dias, sempre pelos mesmos lugares, os mesmos pontos de ônibus, mas nem sequer olha para o lado? A intenção da mostra Cartografia do Avesso, do Sesc, tem justamente o objetivo de chamar a atenção para os detalhes escondidos dentro de um espaço onde circulam 300 mil pessoas.

A mostra é composta por 10 intervenções urbade 12 artistas visuais blumenauenses. O trabalho de montagem das obras começou sábado passado no Centro de Blumenau, e alguns ainda podem ser conferidos pela cidade. Cada um do seu jeito, eles tentaram prender a atenção e instigar a curiosidade das pessoas que cruzaram seus caminhos.


A primeira intervenção foi em um dos pontos de ônibus da Avenida Beira-Rio, na parte onde está sendo feita a reurbanização. As primeiras pessoas que pegaram o transporte coletivo de manhã surpreenderam-se com uma pequena sala de estar, com direito a almofadas, tapetes e estantes com livros e revistas. A ideia e a montagem foram de Daiane Schvartz.

– A primeira intenção é chocar, incomodar. Mas depois disso, gostaríamos que as pessoas refletissem sobre o que fizemos, que entendessem o que estamos falando – disse a artista Rosina Di Franceschi.

Para protestar contra a situação problemática da infraestrutura da cidade, Rosina pintou no paredão de concreto do Rio Itajaí-Açu, na Avenida Beira-Rio, a frase “Tudo padrão, tudo arrumado”. Ela pede que as pessoas questionem o discurso dos governantes de que tudo está sendo feito para melhorar a cidade.

Com a mesma intenção de discutir o problema da infraestrutura, Charles Steuck montou um barraquinha para “vender” pedaços de concreto que se desprenderam do Edifício América. Na embalagem, a data de fabricação, que retorna ao ano de 1977, vem ao lado da mensagem: “Belisquemos-o, continuamente, e um dia haverá de desaparecer.”

O curador da mostra, Charles Narloch, explicou que os artistas tiveram um olhar atento e crítico sobre a cidade. Mas não com a intenção de agredir, e sim para que haja reflexão:

– Eles tiveram uma visão artística, mas também crítica de Blumenau. Precisamos olhar o que gostamos, mas também devemos pensar no que nos incomoda.

As intervenções que foram montadas no Centro ficarão expostas enquanto durarem. A última etapa da mostra Cartografia do Avesso começará dia 23, com a exposição no Museu de Arte de Blumenau.

daniela.pereira@santa.com.br
DANIELA PEREIRA
Exposição
O registro fotográfico da mostra Cartografia do Avesso vai virar uma exposição no Museu de Arte de Blumenau, como parte das comemorações de 64 anos do Sesc. A abertura será dia 23 de setembro, às 19h, e segue até 23 de outubro.

acesse:http://www.clicrbs.com.br/jsc/sc/impressa/4,1124,3038592,15494

3 comentários:

Ali disse...

"Com a mesma intenção de discutir o problema da infraestrutura, Charles Steuck montou um barraquinha para “vender” pedaços de concreto que se desprenderam do Edifício América."

OS PEDAÇOES NÃO SE DESPRENDERAM DO EDIFÍCIO, FORAM ARRANCADOS, DEMOLIDO PELO PRÓPRIO ARTISTA!!! A DISCUSSÃO DA OBRA TAMBÉM NÃO É A INFRAESTRUTURA...

A REPORTER NÃO CONVERSOU COM OS ARTISTAS SOBRE SUAS OBRAS, INVENTOU SUA PROPRIA INTERPRETAÇÃO PARA OS TRABALHOS, O QUE É MUITO PROBLEMATICO.ALÉM DISSO, NÃO ACOMPNAHOU A MAIORIA DAS INTERVNÇÕES, NÃO ENTREVISTOU OS TRANSEUNTES SOBRE AS AÇÕES, MUITO FRACA A COBERTURA, INFELIZMENTE, PQ FOI UMA MANHA RIQUISSIMA DE FATOS E DISCUSSÕES...
UMA PENA...

Ali disse...

http://mordidinha.blogspot.com/

Ali disse...

ERRATA DA ERRATA:
A errata publicada na sexta-feira, 17, falando que a frase: "– A primeira intenção é chocar, incomodar. Mas depois disso, gostaríamos que as pessoas refletissem sobre o que fizemos, que entendessem o que estamos falando" é de minha autoria ESTA ERRADA.
Como posso ter dito isso se sequer dei entrevista p a repórter???

A editoria do Caderno de Lazer já me ligou pedindo desculpas.