quinta-feira, 4 de setembro de 2008

11º Festival de Música de Itajaí


No ano em que se comemora o cinqüentenário da Bossa Nova, o Festival de Música de Itajaí chega a sua 11ª edição.

Com uma seleção de shows nacionais que mostra a diversidade cultural brasileira, a começar pelo “Pré Pós Tudo Bossa Band” de Zélia Duncan. Cláudio Dauelsberg “PianOrquestra” faz do piano tocado a dez mãos uma orquestra de um único instrumento. O Rabo de Lagartixa inova o choro ao inserir o sax soprano e o contrabaixo acústico na formação do grupo e transitar por vários ritmos. As possibilidades de sons produzidos pelo corpo humano são exploradas pelos integrantes do Barbatuques. A inquietude e vozeirão inconfundíveis de Jair Rodrigues proporcionarão ao público um passeio pelo universo do samba e suas vertentes. A fusão do popular e do erudito é apresentada pelo compositor, cantor, pianista, arranjador e maestro Francis Hime. O lirismo da Música Popular Brasileira vem representado pela interpretação marcante de Fátima Guedes. A música popular do Roupa Nova com arranjos vocais e instrumentais sofisticados completa este caldeirão musical da mostra nacional.


As oficinas, ministradas por músicos de excelência em suas áreas, são o coração deste grande corpo que se tornou o Festival de Música de Itajaí. Nelas professores e alunos dos vários cantos do Brasil trocam experiências, dão um novo rumo a suas carreiras artísticas, gestam novos projetos.


Em 2008 ampliamos os espaços musicais do Festival que além das já consagradas Jam Session e Hora da Sineta, e da iniciante Roda de Choro e Samba, contará também com a MPB no Teatro, contemplando assim mais gêneros musicais. A história do Festival de Música de Itajaí será marcada pela Exposição Retrospectiva e pelo Documentário do Festival.

(texto retirado do site oficial do evento)

3 comentários:

Ali Assumpção - Liquidificador disse...

é muito bom este evento! p quem puder, vale a pena participar das oficinas.e quem não puder ainda tem os shows...nós queremos ir no Barbatuques!!

Charles S. disse...

tá igual o fitub: o sucesso é tanto que pra conseguir ingresso tem que acampar na portaria um dia antes...
barbatuques, fica pra próxima!

Clara Mendes disse...

Oi gente,
tô de volta. Os ingressos esse ano foram muuuuuiiittto concorridos. Mas consegui ver o Barbatuques e o Francis Hime entrando na fila dos sem-ingresso. E vou dizer: o público do festival é o melhor público em que eu já estive.